Saturday, August 9, 2008

Cá fora e lá dentro




À distância, longe de casa, pode-se falar. Quando se está dentro da casa as palavras não têm o mesmo sentido e é preferível calar-se. Em casa não se é livre, as paredes limitam o espaço. As janelas, se deixam entrar a luz, não se abrem verdadeiramente para o exterior. Aqueles que vivem na casa vigiam o sentido das palavras. Um país, uma casa, uma cidade, uma família: tudo são fronteiras, paredes, limites. Aqueles que estão fechados na casa não entendem o que se passa lá fora. Metidas em caixas as palavras não respiram e adquirem sentidos que não têm se ditas à distância, longe daqueles que vigiam tudo o que se passa na cidade. Por isso, provavelmente, me fui embora e nunca hei-de voltar. Conheci a liberdade, não me apetece deixar-me amarrar de novo à mesquinha lei local. A ditadura não terminou. Não se pode falar livremente. Eles interpretam mal as nossas palavras, por incapacidade ou porque não admitem que alguém possa ir além daquilo que eles permitem que seja pensado. Não voltarei. As palavras são o que me resta, não aceito perder a liberdade de as usar incitado pela descoberta, pela dúvida, pelo risco, pela possibilidade de escapar à rotina que nos arrasta de dia em dia sem esperança.

No comments: